22/07/09

Minhas mãos

Minhas mãos
Porque teimam meus dedos em escrever
Frases loucas, longas, sempre iguais?
Se as palavras se tornam tão banais
E por mais que escreva, tudo fica por dizer...!?

Porque me entrego a este bálsamo que é castigo
Porque me dou e me escondo em tais enredos
Se as rimas nunca tiveram p'ra mim segredos
E se afinal não tem valor tudo o que digo!...?

Não passam de momentos, sonhos sem lei...
Repouso e cansaço, frases aos ventos
Onde me reencontro com os meus mil "eus"

Depois... mas depois já encontrei
Destas minhas mãos ensinamentos
Que me pergunto se não estará
ali um pouco a mão de Deus...

Filó (2006)

2 comentários:

Anónimo disse...

«Deus, está em tudo»

Deus está em tudo, em tudo!
Nas tuas mãos tão preciosas.
Está nesse criar profundo.
Nesse sentir de perfumadas rosas.

Deus está em teu coração.
Nessa arte permanente.
Eis a forte e bela razão.
Por nos deixar a todos contente!

Se das minhas mãos arte sai...
Eu sou um tanto feliz.
E este poema voando vai.
Com versos da minha raiz!

Da amiga Zézinha Coelho para ti, mais uma vez de improviso. Bjos.

Filomena disse...

De coração te agradeço
E nos lábios um sorriso
pois esse teu improviso
é bem mais do que mereço!!!

Obrigada Zézinha!!
Pala tua presença, pelo teu carinho, pela tua amizade!

Beijinho
Filó