17/07/09

... Derivações


Habituei-me a ouvir: "É bonito! Arrepia-me... mas não entendo!!"

Sorrio. Se "arrepia" chegou ao destino.


Por outro lado, alguém disse: "Gosto. Já li várias vezes... mas não tens receio de te expor?!"
Voltei a sorrir. Todos nos "expomos" de um modo ou outro. Não há como evitá-lo!

Mas, expor o quê? Expor-me a quem?!
Pensando bem... exponho sim!


Exponho a alma que existe em mim

Raiva e Amor, paixão, desejo...
Exponho a vida tal como a vejo

Ao sol, à sombra, princípio e fim


Palavras soltas sem terem voz

Emoção, loucura e pesadelo
Mas também sei que em paralelo

serei o espelho de alguns de vós

Se a minha mão não tem um freio
e do meu peito agarra o grito
nesta bênção, talvez castigo


Neste condão que comigo veio

não estarei só, eu acredito:

-Nesse "arrepio" tu estás comigo!


Exponho sim! Mas sobretudo perante mim e Ele.
Os outros... os outros vêem o que poderem ver!

Filó (2009)


2 comentários:

Cacilda disse...

Filó,
Estive a actualizar a leitura dos teus textos e poemas. É sempre um prazer visitar o teu cantinho.
Tal como dizes, és mesmo o espelho de muitas de nós,que como eu, se identificam com a tua poesia, mas não sabemos fazer esse jogo de palavras que em ti saem em turbilhão...e que te levam por vezes a considerar o que é um dom como um "castigo".
Penso que será como uma pessoa sentir-se prisioneira da sua própria arte, será algo parecido que tu sentes?
Seja o que for, o teu "dom" é superior ao teu "castigo" e nós gostamos muito do arrepio que sentimos ao ler os teus poemas, mesmo que não os entendamos na totalidade.
Beijinhos

Cacilda

Filomena disse...

Olá Cacilda|
Mais uma vez obrigada pelos seus comentários!
É bom saber que desse lado sempre há alguém que se identifica com os meus trabalhinhos.
É um pouco isso sim. Quando toca a fases de escrever... e falando no meu caso, há uma carga emocional muito forte que se pode tornar deveras extenuante!
... Como um círculo vicioso, se é que me faço entender!

Beijinho e obrigada pelo "arrepio"
:D
Filó