27/04/09

Resta a Palavra


Restam
as horas vazias
a corrente dos dias
o sol na janela...
o actor e a novela
a sombra e o mito
o silêncio e o grito
no tempo seguinte
... narrador e ouvinte
dos monocórdios.

Restam
as frases ao vento
a noite e o relento
o sol e o luar
a brisa e o mar
o reflexo no espelho
as aves do céu
e o conselho
... que se perdeu
ou que se nega.

Resta a entrega.
A rota e a pausa
o efeito e a causa
a confiança no Além...
a promessa que vem
na sagrada aliança
do agora e depois.

Restamos os dois
e a humanidade…
O pulsar da cidade
e a esperança que vem
a este mundo peregrino
a cada momento.

* * *

Resta o pensamento
o destino
...e a Palavra.

Filó (2006)

2 comentários:

Anónimo disse...

Olá, amiga Filó, gostei muito mesmo deste teu poema.Continua assim, a seres essa alma poética que através dos teus poemas encorajas os outros.Obrigada, por me dares a honra de ser tua amiga.Beijinhos Zézinha Coelho.

Filomena disse...

Zézinha!
Obrigada eu, pelo teu carinho e pela tua amizade!
... para quando mais um lindo poeminha dos teus, aqui para o cantinho "inspiração dos amigos"?
;-)

Beijokas grandes
Filó