27/04/09

Poesia & Loucura




Poeta, eu?!
Não!!

Sou apenas a mão que agarra a caneta.
A que ronda, secreta no grito das vozes
do lado obscuro...
as do lado do muro que a mão desperta!

Poeta, eu?!
Não!!

Sou apenas fraqueza, pequenez, cobardia...
A que alimenta a tristeza e sufoca a alegria
A que corrompe a beleza da verdadeira poesia
A que jamais se liberta
... e por mais que escreva
jamais falará aquilo que queria!

Poeta, eu?!
Não!!

Sou um desbravar de palavras
mas as de lá, do lado cinzento
do lado das trevas, do lado escondido
Desse lado desconhecido
talvez perdição, talvez ventura...

Sou apenas um rasgo de amargura
do dia da noite que também se faz dia
Sou farrapo acenando
talvez emoção
talvez grito
talvez abrigo
talvez rebeldia
talvez tortura...

Mas, meu amigo, Poeta, EU?!!!
Não!!

Se para ti sou poesia

para mim sou
apenas loucura!

Filó (2007)

2 comentários:

Anónimo disse...

***
»« POETA TU ?»«
SIM !
***
~~ Se a tua mão que agarra a caneta
Alimenta a tristesa e sufoca a
Alegria
~~ Não corrompe a beleza nem é
Cobardia .
~~ Aquilo que escrevendo gritas com
Emoção
~~ Mostra a grandeza que tem a tua
Mão .
~~E a caneta que com rebeldia
da folha não se liberta
~~Só pode estar presa na mão
de um poeta !
TU ,
FILÓ !


Jinhos-ivone

Filomena disse...

Ivone!

É nestas alturas que me fogem todas as palavras.
Somente uma me ocorre, bem simples mas com emoção:
OBRIGADA!!!Um beijo
Filó